terça-feira, 3 de novembro de 2009

Marconi e Arruda unidos!

Jornal Opção

AJU­DA AOS PRE­FEI­TOS

Ar­ru­da e Mar­co­ni, uni­dos pe­la sa­ú­de do En­tor­no

Ca­da vez mais o se­na­dor Mar­co­ni Pe­ril­lo (PSDB) con­so­li­da sua li­de­ran­ça e in­flu­ên­cia nas ci­da­des do En­tor­no. “Bem an­tes de se tor­nar go­ver­na­dor de Go­i­ás, Mar­co­ni Pe­ril­lo já aju­da­va os mu­ni­cí­pios da re­gi­ão”, con­ta o ve­re­a­dor Ge­ral­do Vas­con­ce­los, o Ge­ral­di­nho do PRTB. Os elo­gi­os são por con­ta do em­pe­nho do se­na­dor jun­to ao go­ver­na­dor Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM), nas ações de par­ce­rias do GDF com os mu­ni­cí­pios vi­zi­nhos, prin­ci­pal­men­te nas áre­as de sa­ú­de e tran­spor­tes.

Na quin­ta-fei­ra, 29, mais um im­por­tan­te pas­so foi da­do pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de do aten­di­men­to à sa­ú­de no DF, num ca­fé da ma­nhã en­tre Ar­ru­da e Mar­co­ni, quan­do o go­ver­na­dor anun­ciou a as­si­na­tu­ra de um con­vê­nio com se­te ci­da­des do En­tor­no. Tan­to Ar­ru­da quan­to Mar­co­ni es­tão em­pe­nha­dos em en­con­trar uma so­lu­ção pa­ra re­sol­ver par­te dos pro­ble­mas que aflin­gem a sa­ú­de no DF. “Se não re­sol­ver­mos o pro­ble­ma da sa­ú­de no En­tor­no, Bra­sí­lia vai con­ti­nu­ar so­fren­do pres­são no aten­di­men­to, por mais que se in­vis­ta em hos­pi­tais, pes­so­al qua­li­fi­ca­do, me­lho­ri­as na ges­tão, em tec­no­lo­gia, va­mos con­ti­nu­ar com de­man­das re­pri­mi­das nes­te se­tor por con­ta da pres­são de pa­ci­en­tes vin­do des­tes mu­ni­cí­pios”, lem­bra o pre­si­den­te da Co­de­plan e exe­cu­ti­vo res­pon­sá­vel pe­las po­lí­ti­cas pú­bli­cas do GDF na re­gi­ão, Ro­gé­rio Ros­so.

Na quin­ta-fei­ra, 5, o go­ver­na­dor Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da faz uma ver­da­dei­ra ma­ra­to­na per­cor­ren­do as se­te ci­da­des as­si­nan­do con­vê­ni­os pa­ra in­ves­ti­men­to na sa­ú­de do En­tor­no. Com es­tes con­vê­ni­os, o GDF au­men­ta de R$ 1,5 mi­lhão, pa­ra R$ 3 mi­lhões men­sais es­te re­for­ço aos mu­ni­cí­pios de Ci­da­de Oci­den­tal, For­mo­sa, Lu­zi­â­nia, No­vo Ga­ma, Pla­nal­ti­na, Água Fria e Val­pa­ra­í­so. Águas Lin­das de Go­i­ás e San­to An­tô­nio do Des­co­ber­to já re­ce­bem es­tes be­ne­fí­ci­os, que vão ser am­pli­a­dos.

A ver­ba se­rá usa­da pa­ra o pa­ga­men­to de mé­di­cos e des­pe­sas de cus­teio. A apli­ca­ção do di­nhei­ro te­rá o acom­pa­nha­men­to de uma equi­pe do GDF. “Is­so re­pre­sen­ta­rá uma re­du­ção drás­ti­ca de pa­ci­en­tes sa­in­do des­sas ci­da­des pa­ra Bra­sí­lia”, des­ta­cou Mar­co­ni.

Os va­lo­res in­ves­ti­dos em 2010 ain­da se­rão de­fi­ni­dos por­que o GDF de­pen­de do va­lor ar­re­ca­da­do na re­cei­ta de 2009 e da ex­pec­ta­ti­va de re­cei­ta de 2010.

Ou­tro as­sun­to dis­cu­ti­do na re­u­ni­ão en­tre Ar­ru­da e Mar­co­ni foi a pos­si­bi­li­da­de do DF as­su­mir o sis­te­ma de tran­spor­te das ci­da­des do En­tor­no. O con­vê­nio que au­to­ri­za o GDF a ge­rir ple­na­men­te o sis­te­ma de tran­spor­te des­ses mu­ni­cí­pios es­tá em aná­li­se na Agên­cia Na­ci­o­nal de Tran­spor­tes Ter­res­tre (ANTT). “O go­ver­na­dor acha que nos pró­xi­mos di­as che­ga­rá a um acor­do com a ANTT e po­de­rá me­lho­rar a qua­li­da­de do tran­spor­te pú­bli­co na re­gi­ão”, ex­pli­cou o se­na­dor.

Ar­ru­da agra­de­ce — Du­ran­te o en­con­tro, Ar­ru­da agra­de­ceu o apoio do Se­na­do na apro­va­ção do Pla­no de Car­gos e Sa­lá­ri­os da Po­lí­cia Mi­li­tar e dos Bom­bei­ros. “O Se­na­do agiu com ra­pi­dez a pe­di­do do go­ver­na­dor”, elo­gi­ou Marconi Pe­ril­lo.

O pro­je­to de lei com­ple­men­tar (222/09) foi apro­va­do na quar­ta-fei­ra, 28, e ago­ra pre­ci­sa da san­ção do pre­si­den­te Lu­iz Iná­cio Lu­la da Sil­va, pa­ra en­trar em vi­gor. Além de ga­ran­tir a gra­ti­fi­ca­ção por ris­co de vi­da a to­dos os po­li­ci­ais e bom­bei­ros, o pla­no as­se­gu­ra a obri­ga­to­ri­e­da­de de cur­so su­pe­ri­or pa­ra exer­cer a pro­fis­são.

VAL­PA­RA­Í­SO
Mi­nei­ra­men­te, Lê­da mo­ve pe­ças pa­ra ele­ger ali­a­do na Câ­ma­ra

Dis­cre­ta­men­te co­mo man­da o fi­gu­ri­no dos po­lí­ti­cos mi­nei­ros (ela é de Ube­ra­ba), a pre­fei­ta de Val­pa­ra­í­so, Lê­da Bor­ges, promoveu mu­dan­ças recentes em al­gu­mas se­cre­ta­rias con­si­de­ra­das pe­ças-cha­ve de sua ad­mi­nis­tra­ção. Objetivo: me­lho­rar a in­ter­lo­cu­ção com o le­gis­la­ti­vo mu­ni­ci­pal. “A pre­fei­ta tem um pro­fun­do res­pei­to pe­lo le­gis­la­ti­vo, não só por ter si­do ve­re­a­do­ra, mas pe­lo seu ca­rá­ter le­ga­lis­ta e fi­el se­gui­do­ra dos pre­cei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais. Por is­so ela es­tá em­pe­nha­da em me­lho­rar o di­á­lo­go com os ve­re­a­do­res”, re­su­me um as­ses­sor da pre­fei­ta.

Es­ta no­va es­tra­té­gia ­mos­tra ter al­can­ça­do os ob­je­ti­vos, co­mo ates­tam os ve­re­a­do­res do PT Sil­va­no Pe­rei­ra Ne­to e An­tô­nio Bi­tes. Fer­re­nhos ad­ver­sá­rios da pre­fei­ta, mas cor­dia­is nas re­la­ções ins­ti­tu­ci­o­nais, eles fo­ram re­ce­bi­dos pe­lo no­vo se­cre­tá­rio de Go­ver­no, Thar­sis Bas­tos Bar­ros, pa­ra con­ver­sar so­bre a pos­si­bi­li­da­de de um acor­do que pos­si­bi­li­te a elei­ção do no­vo pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Val­pa­raí­so. “Es­te en­con­tro si­na­li­za o quan­to o Exe­cu­ti­vo es­tá em­pe­nha­do em man­ter a hor­mo­nia dos po­de­res no mu­ni­cí­pio”, re­su­miu um as­ses­sor de Lê­da. Es­pe­cu­la-se nos bas­ti­do­res que a prefeita tor­ce pa­ra que se­ja elei­to o ve­re­a­dor Afrâ­nio Pi­men­tel (PR), com o qual tem um bom re­la­ci­o­na­men­to po­lí­ti­co.

De acor­do com o se­cre­tá­rio de Co­mu­ni­ca­ção de Val­pa­ra­í­so, “o que exis­te em tor­no des­ta mo­vi­men­ta­ção, é o apoio po­lí­ti­co aos pro­je­tos já apro­va­dos pe­la co­mu­ni­da­de ao ele­ger Lê­da pre­fei­ta. O go­ver­no mu­ni­ci­pal tem seus ob­je­ti­vos e com cer­te­za lu­ta­rá por eles”, con­clu­iu Eli­fas.

Cul­tu­ra — Na quar­ta-fei­ra, 28, a Se­cre­ta­ria de Edu­ca­ção, Cul­tu­ra, Des­por­to e La­zer de Val­pa­ra­í­so, re­a­li­zou a 2ª Con­fe­rên­cia Mu­ni­ci­pal de Cul­tu­ra. O ob­je­ti­vo do en­con­tro foi cons­ti­tu­ir em fo­ro am­plo e per­ma­nen­te de po­lí­ti­cas pú­bli­cas re­la­ti­va a ações no mu­ni­cí­pio, ela­bo­ran­do pro­pos­tas pa­ra o Es­ta­do e na­ci­o­nal a se­rem apre­sen­ta­das na 2ª Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal da Cul­tu­ra, que se­rá re­a­li­za­da em Bra­sí­lia no cin­quen­te­ná­rio da ci­da­de, no dia 21 de abril de 2010.

SUCESSÃO 2010

Pes­qui­sas elei­to­ral não re­fle­tem a for­ça de Ar­ru­da

Nos dois úl­ti­mos mes­es, prin­ci­pal­men­te de­pois que o ex-go­ver­na­dor Jo­a­quim Ro­riz (PSC) dei­xou o PMDB, as pes­qui­sas vem se tor­nan­do um pra­to cheio pa­ra os jor­nais di­tos co­mu­ni­tá­rios e blogs. É ra­ro du­ran­te a se­ma­na não apa­re­cer uma de­las com o go­ver­na­dor Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM) na fren­te, ora em­pa­ta­do com Jo­a­quim Ro­riz. Co­mo o ver­da­dei­ro em­ba­te elei­to­ral ain­da es­tá um tan­to dis­tan­te do co­ti­dia­no do elei­tor, o prin­ci­pal ator e pro­ta­go­nis­ta des­ta pe­le­ja que de fa­to vai es­co­lher o man­da­tá­rio de to­dos os bra­si­li­en­ses, as es­pe­cu­la­ções, te­mo­res e in­se­gu­ran­ça vem pro­vo­ca­do ca­la­fri­os em mui­ta gen­te, prin­ci­pal­men­te, aque­les que ne­ces­si­tam do car­go que ocu­pa atu­al­men­te. Mas a re­a­li­da­de, na mai­o­ria das ve­zes, aca­ba ul­tra­pas­san­do a nos­sa ca­pa­ci­da­de de com­pre­en­são. Nes­te mo­men­to, as pes­qui­sas re­fle­tem uma ten­dên­cia, qua­se des­com­pro­mis­sa­da da re­a­li­da­de. Po­dem es­tar cer­tas ou er­ra­das, mas a ex­po­si­ção das ten­dên­cias por no­mes ain­da não con­se­gui­u em­pol­gar o elei­to­ra­do. Pe­lo me­nos o de­ba­te ain­da não che­gou às me­sas dos res­tau­ran­tes, ba­res, bo­te­cos e afins. Es­tão ain­da en­clau­su­ra­das, res­tri­tas aos in­te­res­sa­dos: po­lí­ti­cos, jor­na­lis­tas es­pe­cia­li­za­dos e os gru­pos que gra­vi­tam em tor­no de de­ter­mi­na­dos can­di­da­tos.

Do la­do do go­ver­na­dor Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da e do vice, Pau­lo Oc­tá­vio, a ro­ti­na é a mes­ma: cu­i­dar da ad­mi­nis­tra­ção pri­mei­ro e só de­pois de uma de­fi­ni­ção na­ci­o­nal de co­li­ga­ção e par­ce­ria se po­de fa­lar al­gu­ma coi­sa. “Es­te si­lên­cio e dis­cri­ção so­bre o de­ba­te po­lí­ti­co não quer di­zer que o go­ver­na­dor e PO es­tão mo­bi­li­za­dos. Exis­te uma mo­vi­men­ta­ção es­tra­té­gi­ca mui­ta gran­de, in­clu­si­ve de ava­li­a­ção so­bre os pos­sí­veis ce­ná­rios”, ava­lia uma pes­soa pró­xi­ma às de­ci­sões do Bu­ri­tin­ga. Tan­to Ar­ru­da quan­to Pau­lo Oc­tá­vio evi­tam o quan­to po­dem qual­quer re­fe­rên­cia so­bre a dis­pu­ta de 2010. No en­tan­to, am­bos vas­cu­lham com lu­pa ca­da pas­so dos ad­ver­sá­rios, es­tu­dan­do ca­da mo­vi­men­to e tra­je­tó­ria. “O go­ver­na­dor Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da sa­be que os nú­me­ros de in­ten­ção de vo­to que dão uma pe­que­na di­an­tei­ra sobre Ro­riz, na mai­o­ria das pes­qui­sas, re­fle­tem a von­ta­de dos bra­si­li­en­ses em dar con­ti­nui­da­de às mu­dan­ças fei­tas pe­lo go­ver­no que adotou um no­vo con­cei­to de ges­tão pú­bli­ca com de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, den­tro da le­ga­li­da­de”, ava­lia um dos mar­que­tei­ros do go­ver­no.

Ali­a­dos a es­ta per­cep­ção, es­tão os bai­xos ín­di­ces de re­jei­ção de Ar­ru­da em to­das as pes­qui­sas. Es­te fa­tor, sem dú­vi­da, re­ve­la o po­ten­ci­al de cres­ci­men­to de Ar­ru­da quan­do co­me­çar a mos­trar o que foi al­can­ça­do em sua ges­tão, acre­di­ta um es­pe­cia­lis­ta em pes­qui­sas. Ques­ti­o­na­do pe­lo Jor­nal Op­ção de que as pes­qui­sas cap­tam, num pri­mei­ro mo­men­to, as in­ten­ções de vo­to, que po­dem ser mu­da­das re­pen­ti­na­men­te pe­lo elei­tor até o dia da elei­ção, o es­pe­cia­lis­ta con­tra­ta­do pe­lo go­ver­no dis­se que o “elei­tor é in­flu­en­cia­do por uma sé­rie de fa­to­res que vão des­de os de­ba­tes via gru­pos, fa­tos im­pac­tan­tes, me­lhor marke­ting po­lí­ti­co que aca­bam ‘em­pur­ran­do’ o elei­tor pa­ra se de­ci­dir no úl­ti­mo mo­men­to de vo­tar”.

Nas pes­qui­sas di­vul­ga­das re­cen­te­men­te é cer­to que as mar­gens de er­ros se­rão bem mai­o­res do que os anun­ci­a­dos. Mui­tos es­pe­cia­lis­tas ava­li­am que as pes­qui­sas, nes­te mo­men­to, são ape­nas in­dí­ci­os de que “uma gran­de par­ce­la da po­pu­la­ção ain­da se en­con­tra in­di­fe­ren­te ao pro­ces­so elei­to­ral, mas é im­por­tan­te pa­ra ava­li­ar a possibilidade de crescimento do can­di­da­to”.

As pes­qui­sas di­vul­ga­das até ago­ra apon­tam que mui­ta gen­te, como ain­da não fir­mou o vo­to, po­de, a par­tir da pro­pa­gan­da elei­to­ral, mu­dar de opi­ni­ão. “Nes­te que­si­to, Ar­ru­da le­va van­ta­gem em re­la­ção aos seus opo­nen­tes: tem o ca­pi­tal po­lí­ti­co de duas mil obras para mos­trar, uma co­li­ga­ção que to­do e qual­quer can­di­da­to so­nha e, de que­bra, ge­ne­ro­so es­pa­ço na mí­dia ele­trô­ni­ca quan­do ti­ver iní­cio o ho­rá­rio elei­to­ral. Ou­tro fa­tor que Ar­ru­da tem co­mo ali­a­do é a ca­pa­ci­da­de de co­mu­ni­car com to­dos os seg­men­tos so­ci­ais. O?democrata não dis­cur­sa, ele di­a­lo­ga com a po­pu­la­ção e não trans­mi­te fal­sas ilu­sões às pes­so­as”, re­su­me o mar­que­tei­ro. Ou­tro pon­to ava­li­a­do pe­lo marke­ting po­lí­ti­co de Ar­ru­da é o de que as pes­qui­sas qua­li­ta­ti­vas ain­da não apon­ta­ram o po­ten­ci­al ­de cres­ci­men­to de Ar­ru­da.

Co­mo ain­da es­ta­mos nas la­te­ra­is do cam­po, aguar­dan­do os jo­ga­do­res en­tra­rem no gra­ma­do, as pes­qui­sas são ape­nas uma amos­tra­gem tí­mi­da do mo­men­to pré-elei­to­ral, não cons­ti­tu­em ates­ta­dos de­fi­ni­ti­vos de re­sul­ta­dos fu­tu­ros. Os nú­me­ros do go­ver­na­dor Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da pra­ti­ca­men­te não so­fre­ram al­te­ra­ções. De acor­do com um mem­bro de sua equi­pe, “em mo­men­to al­gum ele se de­cla­rou que é can­di­da­to, por­tan­to tem mui­to ter­re­no pa­ra ser con­quis­ta­do”. É vi­ver pa­ra con­fe­rir os re­sul­ta­dos. En­quan­to ele só se­rá mos­tra­do de­pois de 3 de ou­tu­bro, abai­xo os úl­ti­mos nú­me­ros das pesquisas, mais ou me­nos pa­re­ci­dos. Co­me­çan­do pe­la mais re­cen­te do Ins­ti­tu­to Glo­bal, en­tre os di­as 24 e 26, com 3 mil en­tre­vis­ta­dos, di­vul­ga­do pe­lo “Jor­nal Alô Bra­sí­lia”:

Jo­a­quim Ro­riz (PSC) - 38,5%

Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM) - 35,5%

Ag­ne­lo Quei­roz (PT) - 6,5%

Gim Ar­gel­lo (PTB) - 5,8%

Jo­sé An­tô­nio Re­guf­fe (PDT) - 3%

In­de­ci­sos - 10,7%

A mar­gem de er­ro é de 1,8%.
 
Em re­la­ção ao mês pas­sa­do, Ar­ru­da e Ro­riz caí­ram al­guns pon­ti­nhos:

Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM) - 40,49%

Jo­a­quim Ro­riz (PMDB) - 37,79%

Ag­ne­lo Quei­roz (PT) - 5,37%

Jo­sé An­tô­nio Re­guf­fe (PDT) - 3,14%

Gim Ar­ge­lo (PTB) - 1,01%

Não sa­be / Sem resp - 12,19%

Es­ta foi pu­bli­ca­da no fi­nal de ou­tu­bro:

Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM) - 43,66%

Jo­a­quim Ro­riz (PSC) - 33,50%

Ag­ne­lo Quei­roz (PT) - 5,43%

Jo­sé An­tô­nio Re­guf­fe (PDT) - 3,23%

Gim Ar­gel­lo (PTB) - 0,84%

In­de­ci­sos - 13,34%

Com­pa­re os nú­me­ros de ou­tras pes­qui­sas já di­vul­ga­das

So­ma

José Roberto Ar­ru­da (DEM) - 44%

Jo­a­quim Ro­riz (PSC) - 35%

Ag­ne­lo Quei­roz (PT) - 9%

Re­guf­fe - 4%

Gim Ar­gel­lo - 1%

Ibo­pe

Ar­ru­da - 44%

Jo­a­quim Ro­riz - 33%

Ag­ne­lo - 9%

Exata Op

Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM) - 46,2%

Jo­a­quim Ro­riz (PSC) - 34,3%

Ag­ne­lo Quei­roz (PT) - 7,8%

Gim Ar­gel­lo (PTB) - 1,4%

In­de­ci­sos/Nu­los - 10,2%

A mar­gem de er­ro da pes­qui­sa é de 2,5%.

Instituto O&P

Ce­ná­rio 1

Jo­a­quim Ro­riz (PSC) - 39,6%

Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM) - 37,3%

Ag­ne­lo Quei­roz (PT) - 7,4%

Gim Ar­gel­lo (PTB) - 1,8%

To­ni­nho (PSOL) - 1,1%

Ne­nhum des­ses - 9,2%

Não Sa­be/Não Res­pon­deu: 3,3%

Ce­ná­rio 2

Jo­a­quim Ro­riz (PSC) - 41,2%

Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM) - 37,7%

Ge­ral­do Ma­ge­la (PT) - 7,7%

Ne­nhum des­ses - 9,3%

Não Sa­be/Não Res­pon­deu - 4,1%

Vox Po­pu­li

Pri­mei­ro ce­ná­rio:

Jo­a­quim Ro­riz (PMDB) - 41%

Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM) - 36%

Ag­ne­lo Quei­roz (PT) - 11%

Gim Ar­ge­lo (PTB) - 1%

No se­gun­do ce­ná­rio, o can­di­da­to do PTB é sub­sti­tu­í­do pe­la tu­ca­na Ma­ria de Lour­des Aba­dia:

Jo­a­quim Ro­riz (PMDB) - 40%

Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM) - 36%

Ag­ne­lo Quei­roz (PT) - 10%

Ma­ria de Lour­des Aba­dia (PSDB) - 3%

Um ter­cei­ro ce­ná­rio foi mon­ta­do pe­lo ins­ti­tu­to, tro­can­do o atu­al go­ver­na­dor Ar­ru­da pe­lo vi­ce Pau­lo Oc­tá­vio:

Jo­a­quim Ro­riz (PMDB) - 47%

Ag­ne­lo Quei­roz (PT) - 15%

Pau­lo Oc­tá­vio (DEM) - 14%

Gim Ar­gel­lo (PTB) - 3%

O quar­to e úl­ti­mo ce­ná­rio da pes­qui­sa foi com o de­pu­ta­do fe­de­ral Ge­ral­do Ma­ge­la co­mo can­di­da­to pe­tis­ta ao GDF:

Jo­a­quim Ro­riz (PMDB) - 39%

Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da (DEM) - 37%

Ge­ral­do Ma­ge­la (PT) - 8%

Gim Ar­ge­lo (PTB) - 3%

Es­tes nú­me­ros são ape­nas in­dí­ci­os. Tem mui­ta es­tra­da pa­ra ser per­cor­ri­da. Uma cer­te­za po­de ser ex­tra­í­da des­tes re­sul­ta­dos: Jo­a­quim Ro­riz não es­tá mor­to e nem Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da es­tá ba­ti­do. Res­tam aos com­pa­nhei­ros Ag­ne­lo Quei­roz (PT) e Gim Ar­gel­lo (PTB) gas­tar mui­ta so­la de sa­pa­to e tê­nis à pro­cu­ra de elei­to­res; se­não, ade­us so­nho de se­gun­do tur­no.


Um comentário:

  1. Navegando sem ruma com a intenção de divulgar o meu blog, cheguei até você e gostei do que vi, tanto que pretendo voltar mais vezes. No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da tela do computador está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar cuidado. Em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
    Se gostar, siga-me.
    Por hoje fico por aqui, Espero nos tornarmos bons amigos.
    Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
    Saudações Florestais !

    ResponderExcluir