sexta-feira, 30 de abril de 2010

Marconi: homenagem em Guapó!

PORTAL DO SENADOR MARCONI PERILLO



Senador é homenageado em Guapó

O senador Marconi Perillo (PSDB) esteve nesta quinta-feira (29) em Palmeiras de Goiás, na inauguração da Escola Municipal Itamar Perillo, e em Guapó, onde recebeu a Comenda Pedra Grande. À noite, Marconi foi paraninfo da turma de formandos do curso de Administração de Empresas da PUC-GO. Em Palmeiras, Marconi foi recebido com aplausos incessantes de lideranças políticas e pais de alunos que representavam o Corpo de Bombeiros Mirim.

O prefeito Alberane Souza (PSDB) falou sobre a felicidade da população em receber Marconi. "Queremos agradecer ao senhor por estar aqui em uma data tão importante para nós, um dia de inaugurações de obras que vão servir muito para o povo de Palmeiras. O senhor veio prestigiar o seu povo, que tanto te admira", disse. "Itamar Perillo dedicou a vida a servir às pessoas mais necessitadas. Nunca se preocupou com posses, com bens. E é por isso que esta escola leva o nome dele", continuou. O prefeito agradeceu ao deputado estadual Helder Valin (PSDB), presente no evento, pela doação de uma ambulância ao município.

Entusiasmado, Marconi afirmou que o povo de Palmeiras renova suas energias. "Fiz muita questão de vir aqui hoje para prestigiar essas duas obras, um posto de saúde de Primeiro Mundo e esta escola. Primeiro, venho até aqui para rever os meus amigos, meus conterrâneos de Palmeiras. Vocês sempre me passam uma energia muito positiva. O segundo motivo que me trouxe até Palmeiras é prestigiar o prefeito, a Câmara Municipal, todo o secretariado e parabenizar Alberane pelas obras. Quando pedimos que apoiassem a candidatura de Alberani, estávamos certo na nossa decisão. O terceiro motivo é saudar uma pessoa que dedicou sua vida inteira ao pobres e a Palmeiras. Amo muito a nossa terra, mas duvido que exista alguém que a ame mais do que Itamar Perillo. É uma homenagem muito justa. Parabéns aos que tiveram essa iniciativa."

O senador elogiou a iniciativa do prefeito de construir a escola, lembrando que a Educação deve ser prioridade em qualquer governo. "Sempre valorizei a educação, porque eu aprendi em Palmeiras, com minha mãe, que a Educação é a única herança que um pai pode deixar para um filho. Se cheguei aonde cheguei é porque sempre valorizei a Educação. A Educação deveria ser para todos os governos a prioridade número um. A Educação pública de qualidade dá chance para todos. Investir em Educação é investir em justiça social. Parabéns aos amigos de Palmeiras por receberem essa obra", disse.

Guapó

Para cerca de 800 pessoas, o prefeito de Guapó, Divino Eterno Arruda (PP), disse que é gratificante homenagear aquele que fez tanto pela cidade. "É gratificante homenagear quem fez tanto por nossa cidade. Não é fácil assumir uma gestão em plena crise mundial e se sentir órfão, sem o apoio do Estado, como foi o seu caso, senador. Eu me espelho muito nas suas gestões. Tenho certeza de que o senhor voltará ao governo do Estado no primeiro turno. Nenhuma calúnia o atingirá, porque Deus protege quem está no caminho do bem. O senhor soube se renovar a cada dia, e tenho certeza de que o senhor está renovado para administrar o Estado mais uma vez", disse.

Marconi lembrou sua trajetória com a cidade. "É com muita alegria que volto nesta cidade, sendo recebido por esse prefeito leal que, apesar da falta de ajuda do governo, que é de seu partido, pode apresentar hoje tantas obras à população. Eu já tive a honra de receber a cidadania de Guapó e hoje tenho a honra de receber essa comenda. Ao longo da minha vida inteira amei Guapó. Desde muito novo, ouço falar de Guapó. Lembro-me de vir aqui quando nem se sonhava que a BR-060 seria asfaltada. Minha vida toda se confunde com a evolução desta cidade. Graças ao Santillo (Henrique, ex-governador do Estado) conseguimos trazer as primeiras obras para esta cidade. Quando cheguei ao governo do Estado, tive a felicidade enorme de poder trabalhar por Guapó, implantando todos os programas sociais de nosso governo", declarou. "Sei que Guapó ainda precisa de muitas coisas, mas enquanto vida eu tiver, irei doá-la a esta cidade", afirmou.

Estiveram presentes nas solenidades o Prefeito de Cezarina, João do Queijo (PRB), de Palminópolis, João Foguete (PSDB), prefeita de Maurilândia, Edjane Alves (PP), de Piracanjuba, Ricardo de Pina (PP), deputados estaduais Daniel Goulart, Honor Cruvinel, e os deputados federais Leonardo Vilela e Carlos Alberto Leréia, ambos do PSDB.

Paraninfo

No Teatro Rio Vermelho, em Goiânia, já às 21 horas, Marconi discursou como paraninfo da turma de formandos do curso de Administração de Empresas da PUC-GO. Ele ressaltou a importância dos administradores para o crescimento econômico do País. "Goiás em particular e o Brasil em geral necessitam urgentemente de mão de obra qualificada para o seu desenvolvimento, e vocês acabam de alcançar o patamar superior dessa qualificação, que é a graduação em um curso universitário. E, no quadro geral, os profissionais de Administração merecem lugar destacado. Não há crescimento econômico consistente sem a participação do administrador", disse.

O senador afirmou que está à disposição dos formandos para discutir projetos que visem o crescimento do Estado. "Coloco-me à disposição dos senhores e das senhoras para o debate em torno de projetos que visem o crescimento socioeconômico de nosso Estado e, de modo especial, encaminhar Goiás para um tempo novo de bem-estar para todos."

Marconi: e os parquímetros?







POLÍTICA E JUSTIÇA


Marconi questiona Iris sobre licitação dos parquímetros

Em nota divulgada na tarde de ontem, o senador Marconi Perillo (PSDB) questiona o prefeito Iris Rezende (PMDB) por não ter resolvido o problema do transporte coletivo em seis meses, como havia prometido na campanha. Também cobrou do ex-prefeito explicações sobre o que chamou de "escândalo dos parquímetros".

"Insisto que o debate eleitoral deve ser de alto nível, voltado para o presente e o futuro de Goiás. Mas não temo o passado", diz Marconi. "Assim, antes de continuar me atacando e fazendo promessas, o candidato Iris Rezende deve justificar à sociedade goiana por que se comprometeu a resolver definitivamente a questão do transporte urbano de Goiânia em seis meses, e entregou a prefeitura, 5 anos e 3 meses depois, com o sistema em lastimável caos noticiado em manchetes pela imprensa goiana. Isto sem falar na história da licitação que motiva CPI da Câmara Municipal e no já tristemente famoso escândalo dos parquímetros."

Marconi esteve ontem em Palmeiras de Goiás, na inauguração da Escola Municipal Itamar Perillo, e em Guapó, onde recebeu a Comenda Pedra Grande. À noite, Marconi foi paraninfo da turma de formandos do curso de Administração de Empresas da PUC-GO. Em Palmeiras, Marconi foi recebido com aplausos incessantes de lideranças políticas e pais de alunos que representavam o Corpo de Bombeiros Mirim. O prefeito Alberane Souza (PSDB) falou sobre a felicidade da população em receber Marconi.

"Queremos agradecer ao senhor por estar aqui em uma data tão importante para nós, um dia de inaugurações de obras que vão servir muito para o povo de Palmeiras. O senhor veio prestigiar o seu povo, que tanto te admira", disse. "Itamar Perillo dedicou a vida a servir às pessoas mais necessitadas. Nunca se preocupou com posses, com bens. E é por isso que esta escola leva o nome dele", continuou. O prefeito agradeceu ao deputado estadual Helder Valin (PSDB), presente no evento, pela doação de uma ambulância ao município.

Entusiasmado, Marconi afirmou que o povo de Palmeiras renova suas energias. "Fiz muita questão de vir aqui hoje para prestigiar essas duas obras, um posto de saúde de Primeiro Mundo e esta escola. Primeiro, venho até aqui para rever os meus amigos, meus conterrâneos de Palmeiras. Vocês sempre me passam uma energia muito positiva. O segundo motivo que me trouxe até Palmeiras é prestigiar o prefeito, a Câmara Municipal, todo o secretariado e parabenizar Alberane pelas obras. Quando pedimos que apoiassem a candidatura de Alberani, estávamos certo na nossa decisão. O terceiro motivo é saudar uma pessoa que dedicou sua vida inteira ao pobres e a Palmeiras. Amo muito a nossa terra, mas duvido que exista alguém que a ame mais do que Itamar Perillo. É uma homenagem muito justa. Parabéns aos que tiveram essa iniciativa."

O senador elogiou a iniciativa do prefeito de construir a escola, lembrando que a Educação deve ser prioridade em qualquer governo. "Sempre valorizei a educação, porque eu aprendi em Palmeiras, com minha mãe, que a Educação é a única herança que um pai pode deixar para um filho. Se cheguei aonde cheguei é porque sempre valorizei a Educação. A Educação deveria ser para todos os governos a prioridade número um. A Educação pública de qualidade dá chance para todos. Investir em Educação é investir em justiça social. Parabéns aos amigos de Palmeiras por receberem essa obra", disse.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Marconi: outro caminho!







Marconi se defende de acusações de Iris

O senador Marconi Perillo (PSDB) se defendeu ontem das acusações do ex-prefeito Iris Rezende (PMDB). Em Anápolis, na terça-feira, o peemedebista disse que o governo se encontra em estado de "quase calamidade" em virtude das administrações tucanas. "É curioso que o ex-prefeito Iris, todas as vezes que ocorre um vergonhoso colapso no sistema de transporte coletivo de Goiânia, o qual ele se comprometeu a resgatar e a qualificar de forma definitiva em seis meses, mas renunciou à administração municipal após 5 anos e três meses sem encenar a menor solução para isso, deixando apenas rastros que estão sendo apurados por uma CPI na Câmara Municipal, se volta contra mim em um jogo de cena, buscando tirar o foco de sua evidente omissão", afirmou.

Marconi, por outro lado, disse que não vai para o embate durante a campanha. Pré-candidato tucano ao governo do Estado, ele afirma que quer debater propostas para Goiás. "Não caminharei por esta estrada. Enfrentarei a campanha debatendo o futuro de Goiás, para levantar todos os gargalos de seu desenvolvimento econômico e social e enfrentar os entraves que colocam Goiás no estado de letargia em que se encontra. Convido o ex-prefeito e os demais candidatos a um debate que seja de alto nível, capaz de, ouvindo a sociedade, propor e liderar a construção de um Goiás melhor para todos."

Marconi: em defesa de sua honra!


 Marconi rebate declarações de Iris

O senador Marconi Perillo (PSDB) reagiu ontem a declara-ções do ex-prefeito Iris Rezende (PMDB), seu provável adversário na sucessão ao governo do Estado. "É curioso que o ex-prefeito Iris Rezende, todas as vezes que ocorre um vergonhoso colapso no sistema de transporte coletivo de Goiânia, o qual ele se comprometeu a resgatar e a qualificar de forma definitiva em seis meses, mas renunciou à administração municipal após cinco anos e três meses sem encenar a menor solução para isso, se volta contra mim em um jogo de cena, buscando tirar o foco de sua evidente omissão", afirmou.

O tucano disse ainda que sua campanha pretende debater "o futuro de Goiás". Sua proposta, afirma, é levantar "todos os gargalos de desenvolvimento econômico e social e enfrentar os entraves que colocam Goiás no estado de letargia em que se encontra". Acrescentou que defende um debate "de alto nível" e propõe a "construção de um Goiás melhor para todos".

Seminário

Ao falar sobre o desenvolvimento sustentável no Cerrado em Goiás, na abertura do Seminário Legislação e Ações Ambientais, na PUC-GO, o senador alertou para a falta de iniciativas concretas para conter o aquecimento global, definir os níveis suportáveis e ações a serem tomadas pelos países, para a redução do aquecimento e a estabilização dos níveis de CO2 no ar.

Marconi: homenagem!

PORTAL DO SENADOR MARCONI PERILLO


Marconi é homenageado em Cidade Ocidental

Cercado por vereadores do PT, PRTB, PSB, PTB, PRB e PSDB, Marconi recebeu ontem, na Cidade Ocidental, no Entorno do Distrito Federal, a Comenda Santo Antônio. O presidente da Câmara, Darilho Souto (PSDB), disse que antes de Marconi governar o Estado "o Entorno não conhecia o que era um governador, muito menos Cidade Ocidental sabia o que era um governador". O vereador Rony Gás (PR) agradeceu a Marconi pelas transformações feitas por ele no município.

"Existe um Entorno antes de Marconi e outro depois dele", disse a prefeita de Valparaíso, Leda Borges (PSDB). Ela comentou a pesquisa Ecope/DM publicada ontem, em que Marconi aparece com 70% das intenções de voto. "Marconi é uma grande liderança no Estado. Um homem jovem, moderno, que teve uma administração de muito sucesso devido à sua eficiência. A atenção que ele deu ao Entorno, e até hoje dá, não será esquecida pela população. A qualidade de vida e cidadania que ele proporcionou ao povo goiano se reflete nessas pesquisas", disse.

O prefeito de Novo Gama, Doka (PP), ressaltou que todo o Entorno está unido para trazer Marconi de volta ao governo. "Os bons tempos vão voltar", sentenciou. O prefeito de Luziânia, Célio Silveira (PSDB), endossou os discursos afirmando que "Marconi não foi somente o melhor governador que o Entorno já teve, foi o único governador que o Entorno teve", disse. O prefeito Alex Batista (PR) elogiou a trajetória política e a biografia de Marconi.

Recebido com apresentações e ao som da fanfarra dos alunos do Colégio Estadual Ocidental, Marconi iniciou o discurso falando sobre a emoção de estar no Entorno, destacando a cidade de Luziânia e Cidade Ocidental. "Sempre me emociono quando ando por esta região. Venho aqui desde muito jovem, e me impressionam sentimentos antagônicos: um, da complexidade de se organizar cidades mais antigas, como Luziânia. Outro, de como desdobramentos desta cidade original souberam organizar melhor seus caminhos de desenvolvimento, como é o caso de Cidade Ocidental", disse.


"Fico feliz por ajudar o Entorno do DF"

O senador Marconi Perillo declarou-se orgulhoso por ter conseguido mudar a realidade do Entorno do Distrito Federal. "Orgulho-me de, na passagem pelo governo de Goiás, ter conseguido mudar muito este quadro. Fico feliz de ver que meu empenho como governador de Goiás pôde alocar recursos para o desenvolvimento regional e, também, estabelecer parcerias para que o Governo do Distrito Federal e o governo federal despertassem para a importância da organização social, política e econômica do Entorno do DF." Marconi afirmou que "Cidade Ocidental é exemplo, pois surgiu como pouco mais que loteamento nos subúrbios de Luziânia, mas conseguiu crescer de forma organizada".

Marconi enalteceu o prefeito da cidade, Alex Batista, afirmando que ele não deixou que a cidade perdesse a organização inicial, de forma a não fazer o crescimento ser prejudicial ao município. Ele agradeceu a homenagem e disse que vai trabalhar ainda mais para merecer o apreço do Entorno de Brasília. "Como fiz enquanto governador, como faço no Senado e em qualquer outra missão pública que me for dada, farei tudo para continuar merecendo a Comenda e, muito mais, o apreço dos líderes e do povo do Entorno, em especial o povo de Cidade Ocidental."

Serra: liderança em Goiás!






POLÍTICA E JUSTIÇA

Em Goiás, Serra está à frente na disputa pela Presidência

Pesquisa Ecope/Diário da Manhã mostra que, em Goiás, a vantagem do ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) sobre a ministra Dilma Rousseff (PT) é maior que no resto do País. Enquanto a média das pesquisas aponta uma frente de cerca de 10 pontos percentuais nos outros Estados, entre os goianos a vantagem do tucano sobre a petista é de pouco mais de 15 pontos. De acordo com o levantamento, admitem votar no ex-governador 40,7% dos entrevistados.

Se dispõem a votar em Dilma 25,1%. Na sequência, aparecem a senadora Marina Silva (PV), com 11,2%; e o deputado federal Ciro Gomes (PSB), com 10,7%. A pesquisa foi realizada entre os dias 10 e 25 abril. Antes, portanto, da decisão oficial do PSB de sepultar a pré-candidatura do deputado. A margem de erro é de 1,1 ponto percentual para mais ou para menos.

O Ecope constata ainda que existe um baixo percentual de eleitores que ainda não decidiu em quem votar nas eleições para presidente: 7,5%. Baixo principalmente se considerar que as candidaturas não foram sequer oficializadas e a propaganda gratuita no rádio e televisão ainda não começou.

O instituto Ecope ouviu 6.485 eleitores em 49 municípios goianos, espalhados por todas as regiões do Estado. A pesquisa foi contratada pela Unigraf -Unidas Gráfica Editora Ltda, e registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no último dia 20 de abril sob o protocolo 15387/2010.

PT: Vale tudo!!







POLÍTICA

BANCOOP

Doleiro diz que Vaccari mente sobre encontros

Folhapress

Brasília – O doleiro Lúcio Bolonha Funaro acusou o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, de mentir sobre encontros que manteve com ele e de ter uma “relação umbilical” com o grupo Schahin, “alvo de investigações da polícia e do Ministério Público por suspeita de lavagem de dinheiro e evasão de divisas”.

Em depoimento em março, Vaccari disse que havia se encontrado com o doleiro uma vez, quando foram apresentados pelo deputado Valdemar Costa Neto (PL). “Mentira. Não posso revelar o teor das reuniões. Mas tratamos de operações financeiras”, disse Funaro à CPI das ONGs no Senado. Vaccari, ex-presidente da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop), é investigado por suspeita de desvios da cooperativa para campanhas petistas. (Folhapress)

Aparecida de Goiânia: suspeita!







CIDADES

APARECIDA DE GOIÂNIA

Vereador questiona contrato para limpeza

Marília Assunção

A insatisfação com a terceirização da coleta do lixo em Aparecida de Goiânia, onde é produzida uma média de 12 toneladas de resíduos por dia, foi parar na Câmara Municipal da cidade.

Esta semana vereadores questionaram a transferência do serviço para uma empresa, ocorrida há cerca de 60 dias, após uma tomada de preços que culminou em um contrato entre Prefeitura e a Vital Engenharia Ambiental, no valor de R$ 9 milhões para seis meses de serviço – na coleta, varrição e operação do aterro sanitário de Aparecida.

O vereador Manoel Nascimento (PSDB), por exemplo, fez duras críticas ao processo. Segundo divulgado na página do órgão, ele questionou contratos com empresas terceirizadas na limpeza urbana e na saúde. Sobre a terceirização da coleta de lixo, conforme teria afirmado, são cobrados cerca de 490 reais por tonelada de lixo recolhida em Aparecida. “Com este gasto dá para comprar vários caminhões, sem precisar terceirizar o serviço”, disse .

Já o secretário de Meio Ambiente de Aparecida, Juliano Tadeu Moreira Cardoso, que assumiu há poucos dias o gerenciamento da limpeza urbana, discorda. Segundo ele, os críticos “tentam passar uma imagem de confusão que não existe”.

Conforme o secretário, o serviço foi licitado na modalidade menor preço (tomada de preço) e hoje é fiscalizado pelo órgão ambiental. A licitação definitiva para terceirizar o serviço está sendo preparada, disse ele. Juliano aponta muitas falhas e deficiências na coleta e especialmente no gerenciamento do aterro antes das mudanças. “Estamos revendo tudo para melhorar”, afirmou. (Marília Assunção)

Leitores opinam!







CARTAS DOS LEITORES

Contrastes na BR

Quem costuma trafegar pela BR-153, no trecho entre Goiânia e Aparecida, vislumbra contrastes desmedidos. Pelo asfalto, restaurado com requintes intocáveis, já é possível, finalmente, transitar com a desejada segurança, permitida por uma sinalização cuidadosa.

Cenário possível apenas durante o dia. Desaparece o sol e, sem ele, o escuro da noite se uniformiza. Em um ambiente de trânsito intenso, veículos e pedestres se misturam, disputando estreitos espaços em diversos pontos da BR.

Acidentes fatais tornaram-se frequentes, com trabalhadores e estudantes indo ou vindo de casa, sem provocar nenhum constrangimento ou desdobramento pelos órgãos responsáveis. Insensibilidade percebida, talvez pelo fato de que nem transitem por ali. Tampouco neste horário.

Mas, de repente, a escuridão é substituída por luzes fortes, reluzentes, que provocam em nossa imaginação como seria todo este trecho iluminado. Prefiro acreditar coincidente, mas defronte a uma indústria de bolachas e próximo a um clube de elite, todo este cenário, ideal para os pagantes de impostos, se transforma.

Comemoramos com alívio este breve instante de segurança, até voltarmos ao brilho amistoso das estrelas, fonte única de luz pelo resto da BR-153, entre Goiânia e Aparecida. Os postes estão espalhados por toda esta extensão. Por algum tempo trouxeram a esperança passageira de que podemos voltar para casa com a certeza de que somos todos iguais. Na claridade e na escuridão.

LUIZ FERNANDO MARTINS
Instituto de Neurologia de Goiania


Reforma de rodovia

Aluno do curso de Direito da Faculdade de Ciências e Educação de Rubiataba, moro em Carmo do Rio Verde e tenho uma crítica e um pedido a fazer às autoridades responsáveis pelo término da obra asfáltica da GO que liga Carmo do Rio Verde a Rubiataba.

É uma humilhação aos contribuintes que pagam seus impostos em dia terem de passar por estradas precárias e cheias de poeira ou barro, como acontece há anos com os estudantes das cidades de Carmo do Rio Verde, Uruana, Itapuranga e São Patrício.

São quatro ônibus lotados de estudantes e pessoas que vão com condução própria, à procura de uma vida melhor. Todos que fazem esse trajeto chegam em Rubiataba sujos de poeira e na temporada de chuva, às vezes quando os veículos atolam, de barro.

Como se não bastasse chegar à escola sujos, estamos sujeitos a acidentes, pois não se tem visão o suficiente à frente do veículo devido à quantidade de poeira. Estamos aguardando providências para a solução de pelo menos esta necessidade que não é só dos estudantes, mas de toda a população da região.

THIAGO GUIMARÃES
Carmo do Rio Verde – GO


A assessoria de imprensa da Agetop esclarece que todo asfalto construído em Goiás tem rigoroso controle de qualidade, cuja execução é acompanhada por uma equipe de técnicos (engenheiros) com vasta experiência na área. Apesar dos cuidados, vários fatores externos contribuem para o desgaste do pavimento.

Como exemplo, tem o crescimento vegetativo da frota; o aumento das cargas – provocados pela expansão econômica que o Estado experimenta nos últimos anos; e o alto índice pluviométrico que causou prejuízos em todas as áreas.

Mas, acerca da dúvida do leitor José Ronaldo, em carta publicada terça-feira, a assessoria de imprensa informa que a Agetop tem uma equipe de técnicos na região que vai acompanhar os trabalhos de manutenção da GO-210 (Rio Verde/Santa Helena). Também foi determinada à empresa responsável pelo Programa 3ª Via que aumente o número de equipes com a finalidade de sanar os problemas rodoviários em um período de tempo menor.

Sobre a vida da rodovia que apesar de ter pouco mais de cinco anos está desgastada, esclarecemos que este trecho foi afetado pelo excesso de carga e aumento esporádico do tráfego. Como todos moradores da região sabem, a BR-452 (Itumbiara/Rio Verde) estava intransitável. Com isso, os condutores buscaram alternativas e acabaram sobrecarregando uma rodovia que, apesar de ser nova, foi construída para ser alimentadora do tráfego.

A sobrecarga foi agravada pelas chuvas. Essa combinação de fatores provocou os buracos. Mas, até o início de maio, as máquinas já estarão trabalhando para normalizar a situação.

CLEYBETES LOPES
Coordenação de Comunicação Social da Agetop


Concursos públicos

Ninguém tem dúvida. Está claro que os concursos públicos surgem aos montes nas vésperas das eleições a fim de que o governo se aproprie também do dinheiro das inscrições. São milhares de pessoas que acorrem a estes concursos e os aprovados, mesmos os primeiros classificados, não são contratados. Depois de pouco tempo, os concursos caducam e faz-se nova avalanche de editais para preencher as mesmas vagas fantasmas e assim tudo continua. E pensar que o dinheiro para pagar as taxas exorbitantes, os cursinhos, as apostilas (outra máfia) sai da boca dos pobres, desempregados ou subempregados!

As provas, muitas vezes, exigem conhecimento que não têm nada a ver com a área de atuação do candidato. Para que isso? Para justificar os cursinhos, as apostilas?

Sugiro ao Ministério Público ou a quem de direito que: verifique a realidade das vagas anunciadas no edital, fixando data após a aprovação dos candidatos, para que sejam devidamente contratados; determine que enquanto houver aprovados sem contrato, não pode haver outro edital, ou seja: os concursos não caducam; que sejam da competência do Estado os custos do concurso, de modo que a cobrança da taxa de inscrição só seja devida aos aprovados, já contratados, na ocasião do pagamento do primeiro salário; que seja fiscalizado o conteúdo das provas, que deve ser coerente com a área de atuação do candidato.

MARIA INÊS BARBOSA
Setor Sudoeste – Goiânia


Ética médica

Já em vigor, o novo Código de Ética Médica faz valer o principal princípio que o norteia e que, sem sombra de dúvida, é a pilastra principal de sutentação da Constituição Cidadã de 1988: o princípio da dignidade humana. Nota dez para o Conselho Federal de Medicina. Agora, só falta mesmo o referido Conselho acabar com a odiosa pena perpétua nos seus julgamentos. Só assim, a dignidade da classe médica será restabelecida e o Conselho Federal terá outra nota dez.

VIRMONDES VIEIRA MACHADO
Miami – EUA


Fernandão e o Goiás

Com relação ao Fernandão, que, a bem da verdade, é Fernandinho, enviei muitas mensagens à diretoria do Goiás dizendo que o melhor seria liberá-lo para o São Paulo e ganhar uns trocados, pois, caso contrário, ele acabaria saindo no final do ano de graça. Ao que tudo indica, ele se foi. Ainda bem. Pergunto: o Goiás ganha alguns trocados?

O Leão nunca foi o meu preferido, contudo, creio, que é o treinador para este momento. Disciplinador, autêntico e sincero até demais. Corretíssima a sua contratação. O Harley é mais delicado. Se ele quiser ir para o Parque São Jorge como estão falando, é melhor deixar ir.

Insatisfeito é melhor ir cantar em outro terreiro. O Leão não aceita e não pode aceitar nenhuma interferência. Romerito, Fábio Bahia e assemelhados vão tarde.

MÁRIO SÁ
Goiânia – GO






ARTIGO






Washington Novaes

O ruído dos transgênicos

Haverá algum desfecho que aponte rumo claro para a questão das variedades agrícolas geneticamente modificadas (OGMs), principalmente alimentos ? Defensores desses produtos, especialmente as poucas empresas que os patenteiam e comercializam no mundo todo, argumentam que eles reduzem os custos com o uso de herbicidas e até aumentam a produtividade. Já os críticos sustentam que com o tempo aumenta a resistência das “pragas” combatidas com o uso de glifosato (ao qual os transgênicos são resistentes); por isso, aumentam os custos, já onerados pela obrigação de os agricultores que usem sementes transgênicas pagarem royalties aos fabricantes; e também já haveria indícios de que, ao longo do tempo, cai a própria produtividade das culturas transgênicas.

É um tema relevante para o Brasil e para Goiás. No país, no ano passado, foram 21,4 milhões de hectares cultivados, principalmente milho - 53% do total -, soja e arroz, ou 16% do total mundial. E já somos o segundo maior importador de glifosato no mundo. Em Goiás, segundo Thiago Costa Dias, consultor da Federação da Agricultura e Pecuária (O POPULAR, 2/4), foram 3,4 milhões de hectares plantados, que levaram ao consumo de 10 milhões de litros de glifosato, 70% dos quais fabricados por uma única empresa.

Mas há muita polêmica. Há poucas semanas, um estudo da Secretaria de Agricultura do Paraná a respeito da safrinha mostrou que houve contaminação de milho convencional pelo transgênico, mesmo em áreas onde foram obedecidas as regras mínimas de distância entre um e outro, exigidas pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). Já no Mato Grosso, a Aprosoja, que defende interesses dos produtores de soja e milho, está entrando na Justiça para contestar o direito de os produtores de sementes transgênicas cobrarem royalties de R$ 15 reais por hectare dos produtores que as usem em 3 milhões de hectares. Já no Rio Grande do Sul os produtores de soja lamentaram não ser capazes de fornecer à Alemanha 38 milhões de toneladas anuais de produto convencional, porque o Estado só está produzindo 9 milhões de toneladas anuais - o resto é soja transgênica. Perderão, com isso, um sobrepreço de R$ 20 reais por tonelada que alemães pagam pelo produto convencional.

Já o professor Rubens Nodari (SC) apresentou estudo comprovando que o milho convencional pode ser contaminado por variedades transgênicas, mesmo obedecendo às regras mínimas de plantio e outras exigidas pela CTNBio. E o professor Paulo Kageyama, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz e representante do Ministério de Meio Ambiente na CTNBio, argumentou que as variedades transgênicas de eucalipto não servem para ser utilizadas como madeira ou carvão; só para a produção de celulose. Apesar dessas evidências científicas, o governo federal está discutindo proposta do Ministério da Agricultura, de abrandar as exigências para plantio de transgênicos nas imediações de unidades de conservação.

Fora do Brasil, embora os transgênicos continuem avançando, as restrições se ampliam. O Senado da Suíça prorrogou até 2013 a moratória que impede o plantio comercial de transgênicos. A Romênia vai reduzir a zero o plantio de arroz transgênico, depois de provada a contaminação de cultivos convencionais. França, Alemanha, Áustria, Grécia, Irlanda, Polônia e Hungria mantêm suas proibições. Mas nos Estados Unidos os transgênicos continuam avançando - segundo o professor Kageyama, porque “as regras lá são frouxas”. E na Espanha foi aprovado o uso industrial de batata transgênica, embora no continente europeu a redução dos transgênicos no mercado tenha sido de 11% em 2009.

Em outros países da América Latina a polêmica também segue forte, principalmente na Argentina e Colômbia. Estudos no Laboratório de Embriologia Molecular da Universidade de Buenos Aires afirmam haver comprovado que o glifosato pode provocar má-formação genética em humanos, deformação de embriões, alterações nas células, abortos espontâneos, mutilações de membros, linfomas e leucemia. Já a Justiça de Santa Fé proibiu fumegações de glifosato em culturas próximas de áreas urbanas. E, diante de evidências apresentadas por agricultores, deu aos produtores de glifosato seis meses de prazo para que provem não ser ele danoso a humanos. Já nos Estados Unidos, o Conselho Nacional de Pesquisas da Academia Nacional de Ciências diz que houve vantagens no plantio de transgênicos; mas o uso repetido ameaça”erodir os ganhos”. Ainda assim, a China aprovou o plantio de arroz transgênico e seu consumo por mais de um bilhão de pessoas.

Defensores dos transgênicos argumentam que não há um só estudo epidemiológico que comprove terem eles efeitos negativos na saúde humana. Já um renomado pesquisador norte-americano afirma que “a ausência de evidência” desses danos não quer dizer “evidência de ausência”. Simplesmente porque não há estudos epidemiológicos, que levam anos. Mas há 90 milhões de casos anuais de alergia no sistema de saúde, que não têm explicação.


Washington Novaes é jornalista







ARTIGO

quebra de um tabu

Contrariando a falta de previsão legal acerca da adoção, o Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão inédita, terça-feira, confirmou o direito à adoção de duas crianças por duas mães homossexuais.

Em verdade, esse não foi o primeiro caso de adoção por casais homossexuais no Brasil, mas foi a primeira vez que o STJ se pronunciou acerca do assunto.

Da mesma forma que não há proibição expressa na legislação brasileira acerca do reconhecimento das uniões homoafetivas e do casamento civil de homossexuais, também inexiste qualquer restrição quanto a adoção. As restrições que se impõem são de fundo moral e contrariam o princípio da dignidade humana.

O impedimento moral sustentado se funda na afirmação de que pais homossexuais podem induzir a prole a ter orientação homossexual, fazendo com que a criança sofra constrangimento na infância e na adolescência, dentre outros prejuízos.

Porém, a realidade nos mostra que pessoas homossexuais em sua grande maioria são filhos de pais heterossexuais. E, segundo o psiquiatra Moisés Groisman, especialista em terapia familiar sistêmica, não existe razão para classificar a família homoparental como inferior ou prejudicial ao desenvolvimento dos filhos.

Em verdade, a adoção é sim uma questão que merece ser revestida de todas as formalidades. Quem deseja adotar deve se enquadrar nos padrões éticos e morais que um pai e uma mãe necessitam para criar um filho e isso se dá de forma independente, sejam esses candidatos homossexuais ou heterossexuais.

Mesmo assim, a adoção por casais homoafetivos ainda é considerada um tabu. Na maioria dos países onde a união e o casamento civil homossexual são reconhecidos, a adoção ainda não é permitida.

Sobretudo, o recente julgamento no Superior Tribunal de Justiça será um norte para que os tribunais brasileiros, os legisladores e a sociedade como um todo comecem a desmitificar não só o tabu da adoção homoafetiva, mas também a discriminação a tudo o que está relacionado à homossexualidade.

Trata-se, sem dúvida, de uma grande vitória contra o preconceito e uma inovação para o Direito das Famílias, no Brasil.


Chyntia Barcellos é advogada, especialista em direito homoafetivo e mediação de conflitos
chyntia@chyntiabarcellos.com.br







Editorial

Direitos do usuário

A paralisação do transporte coletivo ocorrida na segunda-feira, ao arrepio da lei, segundo a Justiça, deixou a cidade sob caos durante a maior parte do dia e, também, uma espécie de advertência para as vulnerabilidades do sistema. As quais precisam ser removidas com urgência, como obrigação em face dos direitos do usuário, a causa que tem de prevalecer acima de tudo mais.

A paralisação deixou mais de 400 mil usuários sem transporte e provocou grande tumulto no trânsito, pois todos que podiam, tiraram seus veículos da garagem. Boa parte desses veículos são antigos, muitos até sem condições ao menos razoáveis de circulação.

A realidade exige que as autoridades repensem a questão do transporte de massa de Goiânia e a coloquem sob um enfoque moderno, fortalecendo também a qualidade do serviço prestado.

Os deflagradores da paralisação de segunda-feira não respeitaram a lei, mas isto não quer dizer que não possam reivindicar melhorias. O sistema tem de repensar também a capacitação dos recursos humanos a serviço do transporte, de modo que os canais de diálogo estejam sempre abertos para entendimentos que diminuam o risco de greves.

Goiânia já teve sistema de transporte coletivo bem melhor. Chegou mesmo a servir de referência. Como isto foi possível, dependendo de disposição e empenho, pode-se levantar a qualidade que hoje está negativa. E se trata de uma tarefa a ser conduzida com substancial urgência. Os direitos do usuário precisam ser definitivamente respeitados.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Marconi: foco em Anápolis!

JORNAL ESTADO
                                               DE GOIÁS

Marconi diz que focará Anápolis
Senador fala que ele é o representante da cidade em sua chapa para o governo

Orisvaldo Pires e Marcos Vieira

Em visita a Anápolis nesta terça-feira (27), o senador Marconi Perillo, pré-candidato do PSDB ao Governo de Goiás, repercutiu principalmente os números da pesquisa Ecope divulgada no Diário da Manhã. No levantamento o tucano aparece com 54% das intenções de voto, seguido de Iris Rezende com 42%. Na estratificada para Anápolis, Marconi tem 57,2% e Iris 36%. Questionado sobre os números, Marconi diz que tem uma relação de confiança com o povo anapolino. “Tenho trabalhado por Anápolis como filho de Anápolis”. O pré-candidato promete abrir espaço em seu plano de governo para a cidade e acredita que o Daia precisará de uma nova área em breve, embora o terreno da Plataforma Logística tivesse essa função, quando adquirido em sua administração. Marconi fala ainda que responderá “inverdades” sobre sua história na campanha e espera a presença do presidenciável José Serra em Goiás, para o lançamento de sua pré-candidatura. Leia a seguir os principais trechos da entrevista concedida nesta terça-feira.


JE - Algumas pesquisas mostraram que em Anápolis o senhor e seu principal adversário, o ex-prefeito Iris Rezende, estavam muito próximos. A pesquisa Ecope mostra uma realidade diferente. A que o senhor atribui esse crescimento, essa alteração nos índices?

Marconi - A relação de confiança que existe entre Marconi Perillo e o povo de Anápolis. Essa relação de confiança se aprofundou ao longo destes últimos 12 anos devido ao enorme trabalho que fiz aqui como governador e, agora como senador. Isso principalmente pelo amor que tenho demonstrado a Anápolis e ao seu povo. Muitas pessoas viraram as costas para Anápolis durante o tempo que tiveram o poder em mãos. Anápolis chegou a um ponto de quase desespero, pessoas abandonaram a cidade. Indústrias como a Vicunha foram embora sem que o poder público tomasse qualquer providência. E várias outras foram desviadas de Anápolis sem que se tomasse qualquer atitude. Anápolis foi renegada a décimo plano. Nós precisamos à época redigir um documento, o “Reaja Anápolis”, porque a auto-estima estava baixa na cidade. As obras não vinham e a cidade precisava de muita coisa – reivindicava, por exemplo, um IML e um hospital de urgências. Precisava ainda de melhorias no setor educacional e obras no contorno. Quando assumi o governo depois de uma votação expressiva em Anápolis, as coisas mudaram. Comecei a vir toda semana a Anápolis, para trazer investimentos e benefícios. E a realidade mudou da água para o vinho. Nós trouxemos para cá uma das principais montadoras de automóveis do mundo, que é a Hyundai. Construímos uma nova subestação de energia, a Pirineus, construímos o IML, construímos o Hospital de Urgências – que hoje é um modelo –, demos total apoio à Santa Casa, construímos a sede da Delegacia Fiscal, construímos a rodovia para Joanápolis e ajudamos a viabilizar a construção do anel viário com o trabalho que foi feito junto ao [ex-presidente] Fernando Henrique Cardoso, apoiando emendas de Pedro Canedo e Lídia Quinan, que eram deputados. Fizemos um trabalho intenso para começar a duplicação da rodovia BR-060 Anápolis-Brasília e quando sai ela estava quase pronta. Fizemos um trabalho muito grande para atrair novas indústrias para o Daia – quando cheguei ao governo o distrito parecia um cemitério. Viabilizamos na época umas 20 indústrias de medicamentos e trouxemos outras tantas empresas da área de prestação de serviços e logística. Esse crescimento foi tão expressivo que eu precisei comprar o terreno, de 200 alqueires, para viabilizar a Plataforma Logística. Então as pessoas de Anápolis sabem o quanto nossos governos foram bons para Anápolis. E sabem do verdadeiro comprometimento e do amor que tenho pela cidade. Tenho trabalhado por Anápolis como filho de Anápolis.


JE - É observado em alguns momentos numa eleição que o candidato na frente das pesquisas acaba perdendo pontos ao longo de disputa. O senhor acredita que isso será diferente em Anápolis?

Marconi - Aqui em Anápolis sempre foi diferente, eu sempre tive votações muito expressivas, exatamente porque o povo confia e sabe que amo essa cidade, que não falo as coisas da boca para fora. Eu procuro fazer as coisas acontecerem por Anápolis. Hoje a gente tem a sede da universidade estadual criada por mim e construída aqui em Anápolis. Nós temos uma série de serviços que vieram para Anápolis no meu governo. Como há essa relação de confiança com o povo, eu tenho certeza que vamos ampliar essa frente. Porque de todos os pré-candidatos, quem tem verdadeiro compromisso com Anápolis sou eu. Na minha candidatura ao Senado eu comecei as eleições aqui em Anápolis com cerca de 65% de intenção de votos e acabei com 90%. Isso porque as pessoas perceberam que quem tinha compromisso para valer com a cidade sou eu.

JE - Mesmo com os bons índices, há uma preocupação em criar uma estrutura de campanha forte na cidade e dedicar espaço especial do plano de governo?

Marconi - Vamos fazer uma reunião aqui em Anápolis especificamente para debater ideias, propostas, projetos para a cidade. Daqui a alguns dias a minha equipe de governo e eu também estaremos aqui com as lideranças políticas locais – está aqui comigo o vereador Fernando Cunha – para um debate sobre as propostas específicas para Anápolis que vão constar no nosso plano de governo. Em relação à campanha, nós também teremos aqui uma estrutura para a cidade.

JE - O que mudou das relações que o senhor tem com Anápolis da época em que era governador e agora?

Marconi - São situações diferentes. Quando você está no governo você tem uma possibilidade de ampliar o relacionamento muito maior. Eu diria que mantenho uma relação cordial com Anápolis, com o povo de Anápolis, com as instituições e com as igrejas. Eu venho a Anápolis quase todas as semanas – às vezes a imprensa nem fica sabendo – mas eu venho a um casamento, eu vou a uma reunião nas igrejas, assisto um culto ou missa, às vezes participo de reunião com empresários, com sindicatos. Então a minha relação continua muito forte com Anápolis, mas é diferente agora. O governo nos dá a possibilidade de fazer mais e ter uma relação muito mais ampliada. Não dá para comparar o que é possível fazer como senador com o que se pode fazer quando governador. Mas é claro, depende muito da vontade do governador. Nós fizemos o máximo por Anápolis, mas tem governadores que não fazem ou fazem menos. Então depende muito da vontade política do governador e eu sempre quis e vou continuar querendo fazer muito por Anápolis.

JE - Nunca ocorreu ao senhor ter um vice de Anápolis?

Marconi - Depende dos quadros, dos partidos que estavam na aliança – isso é muito relativo. Eu sempre digo que o representante de Anápolis na minha chapa sou eu. Eu me considero daqui, eu faço política aqui há 30 anos. Provei meu amor por Anápolis fazendo muito pela cidade.

JE - Pedro Canedo, Mozart Soares Filho e Atair Pio são pepistas de Anápolis que tiveram proximidade com o senhor. Como está a relação agora?

Marconi - Além desses, cito ainda o [ex-prefeito] Wolney Martins, vereadores, ex-vereadores, alguns pepistas históricos de enorme valor e que tenho enorme carinho e amizade. Eles seriam muito bem-vindos e acho que se depender deles, eles vão me apoiar. E eu vou ficar muito feliz com isso.

JE - Anápolis projeta ampliar sua representatividade na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal. O que o senhor imagina que o candidato majoritário pode ajudar nisso?

Marconi - Teremos bons candidatos aqui à Câmara e à Assembleia. Fernando Cunha está praticamente decidido em disputar um mandato na Câmara Federal, e vamos dar a ele suporte necessário para vencer as eleições. Do mesmo jeito temos companheiros que vão disputar a Assembleia Legislativa, e nós vamos dar a eles o suporte para que possam enfrentar e vencer. Há um problema em Anápolis que é a pulverização de candidaturas. Sempre se lançam muitos candidatos e acaba que todo mundo perde. O ideal é termos menos candidatos para que os votos sejam melhor aproveitados e a cidade possa eleger uma boa representação política. Anápolis poderia ter seis deputados estaduais e, no mínimo, dois federais. Mas é preciso coordenar isso direito para que as pessoas votem nos candidatos daqui.

JE - A cidade hoje tem um gargalo muito grande, que é a falta de áreas para o Daia. Como o senhor vê esses novos desafios que precisam ser enfrentados aqui?

Marconi - A expansão do Daia passa pela utilização da Plataforma Logística. Quando adquirimos no nosso governo aqueles 200 alqueires, fizemos com o objetivo de garantir a ampliação do Daia, mas independentemente dessa área ser suficiente para acolher as empresas que querem vir para cá, eu tenho certeza que vamos ter que começar a pensar na aquisição de uma nova área para ampliar o atual distrito.

JE - Para o PSDB o principal adversário nesta eleição é Iris Rezende?

Marconi - Eu tenho certeza que a disputa será polarizada entre PSDB e PMDB, mas nós vamos debater ideias, projetos para o futuro de Goiás. Eu não vou ficar debatendo questões menores, a não ser quando provocado. Numa campanha quem cala, consente. Se falarem uma inverdade a meu respeito e eu não respondo, não digo que é mentira, as pessoas vão achar que essa mentira deles é a verdade. Então neste aspecto, quando disserem uma mentira a nosso respeito, nós vamos dizer verdades dos nossos adversários.

JE - Iris deseja contar com Lula no palanque. José Serra também estará presente em Goiás?

Marconi - O meu desejo é ter o Serra no meu palanque. É o mais qualificado candidato, se preparou durante toda uma vida, é uma pessoa que veio de baixo, o pai dele era feirante em São Paulo, mas trabalhou muito. Serra foi deputado, senador, prefeito de São Paulo, excelente governador e um grande quadro. Eu desejo que ele venha a Goiás, vou me sentir muito honrado. Até porque tenho certeza que ele será um presidente para todos os brasileiros. Ele queria ter vindo aqui já no início desta pré-campanha, mas não foi possível. Estamos agora programando a vida do Serra nos próximos dias. Estou propondo que ele venha na sexta, dia 7 de maio, quando faremos o lançamento de nossa pré-candidatura.





POLÍTICA E JUSTIÇA


No Entorno, Marconi tem 70% e Iris, 27,1%

Pesquisa realizada pelo instituto Ecope do Brasil/DM revela que, ao contrário do que acontece nas demais regiões do Estado, no entorno do Distrito Federal não existe equilíbrio entre os dois principais pré-candidatos ao governo de Goiás. De acordo com o levantamento, realizado entre os dias 10 e 25 de abril - e que desconta votos brancos, nulos e indecisos, o senador Marconi Perillo (PSDB) lidera com 70% das intenções de voto. O ex-prefeito de Goiânia Iris Rezende (PMDB) aparece em segundo, com 27,1%.

O sindicalista Washington Fraga (PSol) e o ex-prefeito de Senador Canedo Vanderlan Cardoso (PR) têm 1,5% e 1,4%, respectivamente.

A pesquisa mostra ainda que o percentual de indecisos no entorno é maior que no resto do Estado. A seis meses da eleição e a três do início do horário eleitoral gratuito no rádio e televisão, admitem não saber em quem votar 12,1% dos entrevistados.

No quadro que leva em conta os votos brancos, nulos e indecisos, a vantagem percentual de Marconi sobre Iris é menor. O tucano aparece com 58,4%; e o peemedebista, com 22,6%. Fraga e Vanderlan completam o cenário com 1,3% e 1,1%, respectivamente. Conforme informou o DM na edição de ontem, esta rodada da pesquisa Ecope ainda desconsidera as pré-candidaturas ao governo do ex-deputado federal Ênio Tatico (PRP) e do ex-secretário municipal, Santana Pires (PRTB).

O Entorno é a região do Estado onde a vantagem de Marconi sobre Iris é maior. O quadro só deve sofrer alterações significativas com o início das viagens do ex-prefeito pelo interior e com a definição do quadro político do DF. O apoio de fortes candidatos a governador do DF pode ser positivo para o tucano ou para o peemedebista, dada a ligação daqueles municípios com Brasília.

Por enquanto, os dois únicos postulantes definidos são o ex-governador Joaquim Roriz (PSC) e o ex-ministro Agnelo Queiroz (PT) que apoiam Iris. Apesar de pertencer ao PMDB, a tendência é que o atual governador, Rogério Rosso, caminhe com Marconi – ou pelo menos neutro. Na pesquisa feita pelo Ecope no Estado inteiro, em todas as regiões, e publicada ontem pelo DM, Marconi venceria a disputa ao governo com 54% dos votos válidos, se a eleição ocorresse hoje. Iris receberia 42% dos votos, Vanderlan, 3,4%, e Fraga, 0,6%.


Na corrida ao Senado, Lúcia está na frente de Demóstenes

A senadora Lúcia Vânia (PSDB) lidera a disputa por uma das vagas a que Goiás tem direito no Senado na região do entorno do Distrito Federal. Lúcia foi lembrada por 36,9% dos entrevistados, ao passo que o segundo colocado - o também candidato à reeleição, senador Demóstenes Torres (DEM), foi citado por 32,3%.

Na sequência, aparecem a deputada federal Iris de Araújo (PMDB), com 21,8%; o deputado federal Rubens Otoni (PT), com 10,1%; o ex-senador e ex-secretário municipal de Governo e Habitação Mauro Miranda (PMDB), com 9,1%; o deputado federal Jovair Arantes (PTB), com 6,9%; o também deputado federal Roberto Balestra (PP), com 6,5%; e o presidente regional do PMDB, Adib Elias, com 1,9%; Não votam em nenhuma dessas opções 4,5% dos eleitores. Disseram não saber em quem votar 37,2%.

Metodologia

Data do Registro: 20/04/2010

Protocolo: 15388/2010

Contratante: Unigraf - Unidas Gráfica Editora Ltda.

Contratada: Ecope do Brasil Instituto de Pesquisa de Opinião Pública Ltda.

Período: 10 a 25 de abril

Margem de erro: 2,7 pontos percentuais para mais ou para menos

Marconi: a mentira está do outro lado!



POLÍTICA E JUSTIÇA


Marconi reforça críticas a Alcides

O senador Marconi Perillo (PSDB) não poupou o governador Alcides Rodrigues (PP) de críticas administrativas e políticas ontem. Durante os eventos em que participou ao longo do dia e por meio do Twitter pessoal, o tucano ainda aproveitou para rebater críticas do pepista feitas pela manhã, durante assinatura de convênio com a Prefeitura de Anápolis no Centro Administrativo Pedro Ludovico Teixeira.

"O governador afirmou em entrevista que não faz dívidas para sucessor pagar. Ele mais uma vez está sendo dissimulado. A situação do Estado é muito ruim e tenta esconder isso da sociedade. Ele já fez dívidas - e muitas", afirmou, via Twitter. Pela manhã, Alcides garantiu que entregaria o governo ao seu sucessor sem dívidas de restos a pagar.

Marconi, por sua vez, enumerou pastas em que o governo estadual estaria com débitos elevados, como o Ipasgo e a Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop). "A crise na Agetop é grave em relação às faturas das empresas, que não recebem há meses e entraram em desespero. A dívida é enorme. Repito que a Agetop não tem dinheiro nem para comprar papel higiênico", contou. "A dívida com prestadores de serviço do Ipasgo também é muito alta", emendou.

Também criticou a Saúde, a Celg e infraestrutura. "Fornecedores da Saúde também têm uma alta dívida para receber do Estado. O atual governo aumentou a dívida da Celg, através de empréstimos bancários, em mais de R$ 2,5 bilhões. Há sérios problemas em toda a estrutura do governo estadual. A situação é de caos administrativo".

Ele ainda reafirmou a situação de abandono do Centro Olímpico da Avenida Paranaíba, em Goiânia. "Em relação ao Centro Olímpico, reafirmo que o governo não tem competência sequer para recomeçar a obra. R$ 11 milhões estão no caixa do Estado. A Justiça concedeu liminar autorizando o reinício da obra - e nada."

O desabafo de Marconi também chegou à política. Ele negou que tenha pressionado os prefeitos pepistas para aderirem à sua pré-candidatura ao governo do Estado. "O principal defeito é a traição, e os prefeitos do PP que estão se aproximando estão sendo gratos, pois os ajudei muito no governo".

Disse ainda que a perseguição ocorre do lado do PP. "Sobre a perseguição política, que ele (Alcides) negou, afirmo com convicção: nunca houve, como agora, tanta vindita (castigo) e ódio em Goiás. Companheiros que trabalharam arduamente para a eleição do atual governo são demitidos e perseguidos em todo o Estado."

Marconi falou até em nazismo para criticar o governo. "Essa é a verdade, que eles tentam esconder da sociedade a todo custo com propaganda enganosa e técnicas nazistas de repetição de mentiras. E tudo com interesses eleitoreiros. Mas, como disse o poeta Mário Quintana, 'eles passarão'". Por fim, lembrou da campanha de 2006, quando se licenciou do governo e entregou o Palácio das Esmeraldas para Alcides disputar reeleição. "Naquela época o Alcides dizia que eu era um grande benfeitor. Mas ninguém atira pedras em árvores que não dão frutos".

DEM

Ao longo do dia, durante entrevistas, Marconi foi indagado sobre a possível aliança com o DEM. Disse que tem relação respeitosa com partido e admira o deputado federal Ronaldo Caiado e o senador Demóstenes Torres, ambos do DEM. "Caiado tem vida parlamentar respeitável e vida pessoal muito séria. Demóstenes é colega valoroso no Senado e o admiro muito."

Sobre a possibilidade de ainda aliar-se ao PP - o PSDB poderia até deixar o vice para que o partido indicasse o candidato, como o deputado federal Roberto Balestra -, o tucano lembrou que na "vida só é impossível reverter a morte".

Marconi: lançamento!







POLÍTICA


Tucano vai oficializar pré-candidatura dia 7

Fabiana Pulcineli

Mais de um mês depois que os outros dois adversários lançaram suas pré-candidaturas, o PSDB anuncia a festa que lançará o senador Marconi Perillo nas eleições deste ano. A pré-candidatura do tucano será oficializada no dia 7 de maio, às 10 horas, no Centro de Cultura e Convenções de Goiânia.

A organização do evento ficará a cargo do presidente regional do PSDB e deputado federal, Leonardo Vilela. A expectativa é de ter lideranças nacionais no evento, como o pré-candidato a presidente da República José Serra. Mas ainda não há presenças de líderes nacionais confirmadas.

Nos bastidores, o desejo é de repetir aqui em Goiás o entusiasmo visto no lançamento da pré-candidatura de Serra. A ideia é organizar caravanas de todas as regiões do Estado, com a ajuda das bancadas estadual e federal.

Por enquanto, o PSDB conta com mais sete partidos no evento que vai lançar o nome de Marconi na disputa. PTB, PPS, PTC, PSL, PMN, PT do B e PRB formam a aliança com o PSDB na chapa de Marconi ao governo do Estado.

Assim como os ex-prefeitos Vanderlan Cardoso (PR) e Iris Rezende (PMDB) – que tiveram pré-candidaturas oficializadas nos dias 29 e 30 de março, respectivamente –, Marconi será consagrado pré-candidato sem nenhum outro nome confirmado na chapa majoritária.

O tucano espera pela decisão do DEM para definir as posições. Se a coligação for confirmada, o senador Demóstenes Torres (DEM) tem vaga garantida para disputar a reeleição. A outra vaga seria disputada entre o PTB e a senadora Lúcia Vânia (PSDB).

O presidente do PTB de Goiás, deputado federal Jovair Arantes, tem dito que o partido está “desprendido a ponto de não exigir uma determinada vaga”, mas que não abre mão de estar na chapa majoritária de Marconi.

O PTB pode desistir do senado e ficar com a vice, mas a vaga vem sendo usada para atrair outros partidos e há a possibilidade de ser oferecida ao DEM. Nos últimos dias, a vice foi oferecida para o deputado federal Roberto Balestra (PP), na tentativa de forçar uma coligação com o partido.






GIRO




Jarbas Rodrigues


PSDB diz que tucanos estão por conta própria no governo

Numa semana de franco tiroteio entre marconistas e alcidistas, a cúpula do PSDB goiano afirma que tucanos no governo Alcides estão por sua conta própria. “O partido não indicou ninguém. Quem tiver cargo no Estado, está por sua conta. Sou contrário que o partido exija a saída de filiados no Estado. Se o governador quiser, que promova a exoneração de pessoas que o ajudaram na campanha”, afirma o deputado e presidente do PSDB, Leonardo Vilela. O PSDB é ou não oposição ao governo Alcides? “Temos posição de independência, sem compromisso algum com o continuísmo. Quem responde pelo governo Alcides é o próprio governador e seus aliados”, responde o tucano. Curiosamente, o presidente do PSDB cobra coerência do PMDB. Ontem, Adib Elias, presidente do PMDB, disse aqui que seu partido não fará oposição ao governo Alcides porque seu alvo é a candidatura do senador Marconi Perillo. “Quem vive uma crise de identidade é o PMDB”, frisa Leonardo.

Novo nome

Pinta mais um nome tucano para o Senado: Antonio Faleiros, lançado pelo deputado Carlos Lereia (PSDB). Faleiros é primeiro suplente da senadora Lúcia Vânia (PSDB).

PPS também

O PPS marconista ensaia lançar nome ao Senado: do hoteleiro Luciano de Castro Carneiro. “Vamos reivindicar lugar na chapa majoritária”, afirma Gilvane Felipe.

Outro adiamento

José Serra não virá mais a Goiânia amanhã. Agora é esperado para a próxima semana, no lançamento da pré-candidatura de Marconi.

Palanque Dilma-Iris

Iris Rezende (PMDB) esteve ontem em Brasília com a cúpula nacional do PT. Trataram de estrutura para a pré-campanha em Goiás.

Indecisão

Tudo indica que caberá mais uma vez a Sodino Vieira coordenar a campanha de Iris. Mauro Miranda mostra maior interesse por uma nova candidatura ao Senado.

Exija o original

Marcelo Branco, assessor de Dilma para Twitter, estará em Goiânia nesta sexta. Mas muitos criticam o fato de não ser a candidata quem escreve no microblog.

No encalço

A cúpula governista tem dedicado esta semana a visitas para prefeitos e lideranças do Entorno do DF, região onde Marconi Perillo lidera.

A propósito...

O pré-candidato Vanderlan Cardoso (PR) tem comemorado adesão do prefeito Geraldo Messias (PP), de Águas Lindas, do Entorno.

Aliás...

O prefeito Geraldo teve promessa de R$ 15 milhões do governo Alcides para obras em Águas Lindas. Para o prefeito de Cristalina, Luiz Carlos Attié (DEM), idem.

Clã Caiado

O deputado Ronaldo Caiado (DEM) terá ótimo passatempo até 30 de junho: começou nesta semana a ler as quase mil páginas do livro de Lena Castello Branco sobre a saga da família Caiado.

Dia de protestos

A rodovia Goiânia–Brasília estará movimentada hoje: empresários vão protestar contra redução da jornada de trabalho e 700 produtores rurais vão exigir plano de combate às invasões. No Congresso.

É com Meirelles

Que a taxa de juros do BC vai subir hoje não há mais dúvida. As apostas são de quanto será a alta. Variam de 0,5 a 1 ponto porcentual.


ARREMATE

Resposta – Agetop informa que a ordem de serviço para a retomada da obra do Centro de Excelência sairá assim que for solucionado o impasse jurídico acerca da construção.

Empreendedores – Presidentes das empresas mantenedoras da Junior Achievement recebem amanhã, na Fieg, certificados assinados pelo presidente da Conselho da Associação, Jorge Gerdau.

Negócio da China – Já tem produtor rural ouriçado em Goiás com a notícia, ontem no Valor Econômico, de que chineses estão de olho em terras do Centro-Oeste brasileiro.

Quem vem – Presidente da Bradesco Vida e Previdência e da Fenaprevi, Marco Antonio Rossi falará sobre o segmento sexta-feira em Goiânia.

Eleição – Até 19 de maio, a Faeg promoverá em oito municípios o seminário O que esperamos do próximo governador.

Em Brasília – A secretária Irani Ribeiro (Saúde) será empossada hoje vice-presidente da Região Centro-Oeste do Conselho Nacional de Secretários de Saúde.


Marconi afirma qual a chapa dos seus sonhos

Em entrevistas ontem a rádios de Anápolis, o senador-candidato Marconi Perillo disse qual seria a chapa que gostaria de disputar a eleição deste ano: deputado Roberto Balestra (PP) na vice e o senador Demóstenes Torres (DEM) numa vaga ao Senado. A outra vaga, segundo o tucano, é disputada pela senadora Lúcia Vânia (PSDB) e pelo deputado Jovair Arantes (PTB). Decisão em junho, diz Marconi.